Segurança Cidadã

SEGURANÇA CIDADÃ

A segurança pública tem, atualmente, lugar de destaque na agenda política de diversos municípios do Brasil, inclusive em Juiz de Fora. Essa é uma preocupação que afeta a população em geral. A redução da violência e a conquista de um ambiente seguro passam pela confiança que a população deposita nas instituições públicas, na democratização da polícia e na eficácia da integração de diferentes políticas públicas.

Assim, cabe ao poder executivo municipal fomentar o engajamento social como requisito fundamental. Isso tem seus princípios nos movimentos a favor da cultura da paz, no fortalecimento da consciência dos direitos humanos, nas parcerias e na integração de programas de diversas secretarias municipais e na prevenção, com ações alternativas em áreas com baixo índice de desenvolvimento humano, através do esporte, do lazer e da cultura, buscando a participação efetiva das diversas comunidades.

 

SÍNTESE DAS PROPOSTAS

- Dinamizar o Gabinete de Gestão Integrada Municipal e a instalação do Conselho Municipal de Segurança Urbana e Cidadania, com representantes governamentais e da sociedade civil, para traçar metas constantes, com base no Plano Municipal de Segurança Urbana e Cidadania, e buscar recursos municipais, estaduais e da União para o Fundo Municipal de Segurança Urbana e Cidadania.

- Ampliar o programa “Olho Vivo” e câmeras de monitoramento para outras áreas e regiões com intenso movimento.

- Implantar sistema integrado de monitoramento constante, através do Programa "Olho Vivo", da Central de Controle e Monitoramento da Secretaria de Transporte e Trânsito (Settra), das câmeras instaladas no transporte coletivo urbano e nos táxis, além dos sistemas de radares existentes na cidade. 

- Fortalecer o monitoramento constante por vizinhos, cujo programa já funciona em alguns bairros da cidade, em ação com a Polícia Militar.

- Criar programa de mediação e tratamento de conflitos para crianças, adolescentes e jovens envolvidos nas disputas de poder nos diversos territórios municipais, com atuação voltada para a prevenção do crime e a proteção das comunidades e da segurança como bem público.

- Incentivar iniciativas e compromissos comunitários que busquem redução das infrações, vitimização e insegurança, valorizando o papel crucial que as lideranças municipais têm neste processo, através dos conselhos comunitários (Conseps).

- Promover parcerias com universidades para capacitação dos gestores públicos, servidores, policiais, entes da sociedade civil e conselheiros municipais e comunitários, para atuação das estratégias.

- Envolver profissionais liberais, servidores públicos, agentes comunitários, setor privado, instituições religiosas e mídia local nas ações e estratégias.

Compartilhar Voltar